Casal se renova ao completar 55 anos de serviços prestados aos alagoanos

Empresa muda estratégia de gestão para alcançar resultados e servir melhor

A Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) completa cinco décadas e meia de existência renovada, revigorada, como define o governador Renan Filho na mensagem publicada na revista “Casal 55 anos”, que acaba de ser lançada pela empresa para marcar o acontecimento.

Na avaliação do presidente da Companhia, Clécio Falcão, o segredo da renovação da Casal está na mudança da estratégia de gestão e na coragem de enfrentar desafios e buscar resultados que impactem diretamente na melhoria dos serviços prestados à população. Veja o depoimento de Clécio Falcão na entrevista a seguir.

Para Clécio Falcão, renovação da Casal está na mudança da estratégia de gestão e na coragem de enfrentar desafios

Para Clécio Falcão, renovação da Casal está na mudança da estratégia de gestão e na coragem de enfrentar desafios

Nos seus 55 anos de atividades, a Casal passou de um órgão pouco expressivo do Estado para a maior empresa pública de Alagoas. Como o Senhor avalia essa transformação?

– Quando passou a operar, em 1962, a Casal atendia a poucos municípios, uma vez que outros órgãos, como SAEM (Serviço de Água e Esgoto de Maceió), DAE (Departamento de Água e Esgoto), DNOCS (Departamento Nacional de Obras contra a Seca), DNERU (Departamento Nacional de Endemias Rurais) e FSESP (Fundação Serviço Especial de Saúde Pública), também cuidavam do saneamento básico em Alagoas. Com o passar do tempo, a Companhia foi absorvendo o serviço de abastecimento de água e esgotamento sanitário executado por esses órgãos. Hoje, a empresa está presente em 77 dos 102 municípios alagoanos. Para tornar-se a maior empresa pública de Alagoas foram muitos os obstáculos a vencer, entre os quais o pouco comprometimento de gestores e governos que tinham uma visão pouco abrangente do papel da empresa na sociedade.

Durante décadas a Companhia apresentou prejuízos. A seu ver, por que isto ocorreu?

– O pouco comprometimento de gestores e governos, aliado à falta de planejamento, à defasagem tarifária e à imposição de responsabilidades que estavam acima das condições da empresa, como assumir financiamentos de grandes obras, foram fatores cruciais para o endividamento excessivo da Companhia, que foi se acumulando ano a ano.

Em menos de três anos da atual gestão a empresa passou de deficitária para superavitária. Esta mudança pode ser considerada um milagre?

– O que aconteceu nos quase três anos da atual gestão foi uma mudança de estratégia, um novo jeito de gerir a empresa, muito trabalho e também muito apoio do Governo do Estado. Isto não é milagre, é envolvimento, comprometimento com resultados e muito desejo de acertar. É claro que os resultados que fizeram a empresa sair de um deficit de R$ 54 milhões em 2014 para um superavit de R$ 7,5 milhões em 2016 foram obtidos com um incessante trabalho que envolveu repactuação de contratos, renegociação de dívidas, negociação junto aos credores de órgãos federais, redução de despesas, realinhamento tarifário e ações propulsoras de aumento do faturamento e da arrecadação. Além disso, foi fundamental o apoio do Governo do Estado, que se dispôs a fazer aportes financeiros na Companhia para impulsionar a sua recuperação e acelerar o processo de universalização do saneamento em Alagoas. Além de outras ações inseridas no Programa Estadual de Saneamento, que prevê a utilização de mais de R$ 1,6 bilhões nessa área, o governador Renan Filho se dispôs a dobrar os investimentos feitos pela Casal em 2017, ou seja, para cada real aplicado pela empresa o Estado aporta outro real. A partir dessa iniciativa, a Casal apressou o seu Plano de Investimentos, que prevê para este ano o montante de R$ 100 milhões, sendo, portanto, R$ 50 milhões de recursos próprios e os outros R$ 50 milhões de recursos do erário estadual.

Qual a receita para tornar a Casal uma empresa-modelo na área de saneamento? Isto está longe de acontecer?

– O futuro da Casal é promissor. Embora ainda não tenha alcançado a excelência nos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, a trajetória com esse objetivo está sendo construída.  Tornar-se uma empresa-modelo na área de saneamento é uma questão de tempo, desde  que, como está sendo feito agora, não faltem planejamento, comprometimento e vontade de superar os desafios   e fazer o melhor. Tudo isso gera bons resultados e o maior beneficiário é a sociedade.

O que os alagoanos podem esperar da Casal nos próximos anos?

– A população alagoana pode esperar melhores resultados, melhores serviços e produtos com melhor qualidade, que certamente resultarão em mais saúde e bem-estar para todos.

A Casal lançou uma revista para marcar os seus 55 anos de existência. Por que essa iniciativa e o que ela representa para a história da empresa?

– A trajetória da Casal merece ser registrada porque a empresa tem um capítulo fundamental na   história do Estado e de sua gente. Uma revista como a que está sendo lançada agora pela Companhia e que marca os seus 55 anos de existência é apenas uma forma de homenagear a empresa, que está sempre presente na vida dos alagoanos e que trava uma luta incessante para ampliar e melhorar os serviços e a qualidade do produto que oferece à população, a água, que é saúde, que é vida, que é desenvolvimento.